DENGUE: NÚMERO DE CASOS DE DENGUE REGISTRADOS EM BARUERI TEM QUEDA

A Cidade registrou uma queda de 95% nos casos. Ações intensificadas de combate ao mosquito é o principal fator

 

Barueri tem apenas quatro casos de dengue confirmados, todos importados (quando a pessoa contrai a doença em outra cidade). De acordo com os dados divulgados no mês de março, a Cidade registra bons resultados graças às ações contra a proliferação do mosquito da dengue, realizadas em todo o município. Em 2015, até março, Barueri registrava a marca de 4.291 notificações de dengue, dos quais 3.417 foram de casos confirmados. Desde o começo deste ano até março, foram 537 notificações, sendo 382 descartadas e 151 ainda aguardam análise no Adolfo Lutz.

Se todos os casos em investigação for confirmados, o número registrado será bem menor, uma redução em mais de 95% em relação ao mesmo período de 2015, que terminou com 6.230 casos confirmados.

A Secretaria de Saúde, em parceria com o Instituto de Saúde e Meio Ambiente (ISAMA), realizou vários mutirões e palestras para combater o mosquito. Essas ações são o principal fator para a redução no número de casos. Além disso, a cidade também recebeu mais agentes nas ruas. Hoje Barueri tem 100% de seu território coberto por ações de combate.

Até março, foram realizados três grandes mutirões municipais, nos bairros do

Engenho Novo, Jardim Belval e Parque dos Camargos, envolvendo aproximadamente 1.450 pessoas e 14 mil imóveis foram vistoriados por agentes.

 Exército

Para atuar em conjunto com os agentes de combate à dengue, 500 Soldados do Exército Brasileiro foram convocados para a “guerra contra o mosquito da dengue”, duas vezes por semana. O objetivo era superar o impedimento da entrada de agentes da Saúde nas casas,

Bairros afetados

No ano passado, os bairros mais afetados pela dengue foram o Jardim Belval, Jardim Califórnia e Engenho Novo. Este ano, os quatro casos importados, não são usados como referência ao bairro de incidência justamente porque a pessoa não contraiu dengue em Barueri. Mesmo assim, a Vigilância em Saúde da Prefeitura realiza a chamada “barreira epidemiológica”, “cercando” o bairro onde o paciente mora em ações especiais para prevenir o aparecimento de criadouros e o consequente surgimento do mosquito adulto, justamente para que o vírus deste indivíduo não se propague pela região. Os trabalhos dos agentes da Vigilância em Saúde nas ruas continuam, e não deve cessar durante todo o ano. Porém, a Prefeitura reforça a importância de toda a população permanecer atenta aos possíveis criadouros do mosquito, e não relaxar nos cuidados dentro de casa. A regra básica é não deixar a água, principalmente limpa, parada em qualquer tipo de recipiente. Para se ter uma ideia, em 45 dias de vida, um único mosquito infectado pode contaminar até 300 pessoas.

A recomendação é manter recipientes como caixas d’água, barris, tambores, tanques e cisternas devidamente fechados. E não deixar água parada em locais como vidros, potes, pratos e vasos de plantas ou flores, garrafas, latas, pneus, panelas, calhas de telhados, bandejas, bacias, drenos de escoamento, canaletas, blocos de cimento, urnas de cemitério, folhas de plantas, tocos e bambus, buracos de árvores, além de outros locais em que a água da chuva é coletada ou armazenada. Caso queira denunciar possíveis focos do mosquito, ou obter mais informações sobre o trabalho contra a dengue em Barueri, ligue para 4706-1011, 4198-0424 ou 0800-771-7207.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *